TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENTAL

A Terapia Cognitiva Comportamental é uma linha de psicoterapia proposta e desenvolvida pelo psicólogo Aaron Beck. Envolve um conjunto de técnicas e estratégias terapêuticas com a finalidade de mudança de padrões de pensamento. Seu modelo cientificamente fundamentado apresenta eficácia comprovada através de estudos empíricos.

A Terapia Cognitivo Comportamental está baseada no modelo cognitivo, o qual parte da hipótese de que as emoções, os comportamentos e a fisiologia de uma pessoa são influenciadas pelas percepções que ela tem acerca de si mesma, de seu mundo e do futuro.

Quando os pensamentos são disfuncionais, ocorrem as emoções negativas, tais como: Pânico, Ansiedade, Depressão, Fobia Social, TOC, entre outras, comprometendo a qualidade de vida no indivíduo.

O pressuposto fundamental que orienta a Terapia Cognitiva é que a interpretação que o individuo faz de um evento, determina como ele se sente e se comporta.

ORIENTAÇÃO VOCACIONAL

Atualmente, com as constantes mudanças no mercado de trabalho, devido a complexidade e diversificações das funções, as pessoas precisam, cada vez mais, desenvolver habilidades e aptidões para atenderem aos seus próprios interesses e estarem atualizados frente à demanda profissional.

O papel do orientador profissional é colaborar com o indivíduo neste momento, onde precisa encarar e resolver conflitos.

Para não escolher sem pensar, é fundamental conhecer o melhor possível os elementos dessa decisão: VOCÊ próprio (autoconhecimento), as PROFISSÕES (informação profissional) e a REALIDADE em que vive, desde a mais próxima (familiar) até a realidade econômica, social e política em que está imerso.

A Orientação Vocacional colabora muito com o desenvolvimento integral do indivíduo independentemente de sua idade.

O Labore faz atendimentos individuais ou em grupos, além de palestras e atendimentos em grupo em escolas.

TERAPIA COM GESTANTE

As mudanças hormonais que revolucionam o organismo feminino durante a gestação, aliadas à natural preocupação com as novas responsabilidades, fragilizam a mulher e podem levá-la a estados de ansiedade e até de depressão.

A maioria das mulheres trabalha, às vezes têm outros filhos, obrigações de esposa, mãe e dona de casa. Por isso, o estresse é um sintoma muito comum durante a gestação. A ansiedade também marca esse delicado período e, se não houver um acompanhamento adequado, pode transformar-se em depressão, principalmente depois do nascimento do bebê.

O medo e a ansiedade da futura mamãe tornam-se, então, o principal objeto da terapia, já que leva em conta as fantasias no inconsciente da mulher. Em casos mais graves de depressão, o tratamento acontece a partir de encaminhamento dos próprios obstetras e tem continuidade após o parto.

Esse acompanhamento da gestante pode acontecer ao longo de toda a gravidez e até depois do nascimento do bebê.